quinta-feira, 1 de setembro de 2016

AMOXICILINA + CLAVULANATO DE POTÁSSIO

AMOXICILINA + CLAVULANATO DE POTÁSSIO

Silvio Barberato Filho e Fernando de Sa Del Fiol




APRESENTAÇÕES

• Comprimido 500 mg + 125 mg.

• Suspensão oral 50 mg + 12,5 mg/mL.

INDICAÇÕES

• Infecções causadas por bactérias produtoras de betalactamase, originalmente
sensíveis a amoxicilina.

CONTRAINDICAÇÕES

• Hipersensibilidade a amoxicilina e a outras penicilinas ou ao acido clavulanico.

• Historia de icterícia colestatica ou disfunção hepática induzidas por penicilina
ou pela associação dos fármacos.

PRECAUÇÕES

• Usar com cuidado nos casos de:

–– hipersensibilidade as penicilinas (obter historia previa para prevenir novas
reações).
–– mononucleose infecciosa, leucemia linfocítica aguda ou crônica, infecção
por citomegalovirus ou portadores de HIV (ha risco elevado de exantema
eritematoso).
–– uso de altas doses de amoxicilina (manter hidratação adequada para reduzir
risco de cristaluria).
–– insuficiência hepática ou insuficiência renal

• Hipersensibilidade cruzada com cefalosporinas (menos de 10%): não utilizar
cefalosporinas em pacientes com reações de hipersensibilidade imediata as
penicilinas.

• Categoria de risco na gravidez (FDA): B.

ESQUEMAS DE ADMINISTRAÇÃO

CRIANÇAS

• 20 a 90 mg/kg de amoxicilina, por via oral, a cada 8 ou 12 horas. A dose e a
duração do tratamento dependem do local e gravidade da infecção.

ADULTOS

• 250 + 62,5 a 500 + 125 mg, por via oral, a cada 8 ou 12 horas. A dose e a duração
do tratamento dependem do local e gravidade da infecção.
ASPECTOS FARMACOCINÉTICOS CLINICAMENTE RELEVANTES

• A associação dos fármacos não altera a absorção nem a farmacocinética de
nenhum deles.

• Alimentos melhoram a absorção e diminuem a intolerância gastrintestinal.
• Pico de concentração: 40 a 120 minutos.

• Meia-vida de eliminação: 1 hora para ambos os fármacos.

• Metabolismo: hepático.

• Excreção: renal (50% a 70% de amoxicilina e 25% a 40% de clavulanato)

• Dialisável.

EFEITOS ADVERSOS

MAIS GRAVES:

• Reações de hipersensibilidade incluindo urticaria, febre, dor nas articulações,
exantema, angioedema, anafilaxia, doenca do soro, anemia hemolitica
e nefrite intersticial.

• Hepatite, icterícia colestatica.

• Síndrome de Stevens-Johnson.

MAIS COMUNS:

• Diarreia (3% a 15%), náusea (2% a 3%), vomito (ate 2%)

• Micose (3%); vaginite (1%); candidiase (1,4%)

• Exantema (1% a 3%); dermatite das fraldas (3,5%)

OUTROS:

• Colite pseudomembranosa (raramente) por Clostridium difficile.

INTERAÇÕES DE MEDICAMENTOS

• Acenocumarol: pode resultar em risco aumentado de sangramento. Se for
necessário o uso concomitante de acenocumarol e amoxicilina, monitorar
cuidadosamente o tempo de protrombina (TP) com a adicao ou a retirada da
amoxicilina. Pode ser necessário ajustar a dose do acenocumarol.

• Contraceptivos: pode reduzir efetividade do contraceptivo. Durante a administração
dos antibióticos, utilizar método adicional para prevenir gravidez.

• Metotrexato: aumento da toxicidade do metotrexato. Evitar o uso simultâneo,
porem se isto não for possível, diminuir a dose de metotrexato e monitorar
sua concentração sérica. Monitorar o paciente quanto ao aumento
dos efeitos adversos do metotrexato, incluindo leucopenia, trombocitopenia
e ulceração de pele.

• Probenecida: aumenta a concentração plasmática e prolonga o efeito de amoxicilina. Util quando necessária elevada concentração plasmática e tecidual
dos antibióticos.

• Vacina febre tifoide: a resposta imunológica a vacina pode ser reduzida.
Deixar no minimo 24 h de intervalo entre a ultima dose do antibiótico e a
administração da vacina.

• Varfarina: pode resultar em risco aumentado de sangramento. Monitorar TP
durante o tratamento.

• Venlafaxina: risco aumentado de síndrome serotoninergica. Monitorar cuidadosamente os sintomas da síndrome: anormalidades neuromusculares,
hiperatividade autonômica, agitação e delírio. Caso os sintomas apareçam,
descontinuar os medicamentos e oferecer tratamento de suporte.

ORIENTAÇÕES AOS PACIENTES

• Orientar que não ha restrições quanto ao uso juntamente com alimentos e
para a ingestão no inicio das refeições de modo a aumentar a absorção do
acido clavulânico.

• Orientar para agitar o frasco da suspensão oral antes de cada administração.

• Alertar para não interromper o uso antes do final do tratamento, mesmo
quando houver melhora dos sintomas apos as primeiras doses.

• Alertar para empregar método alternativo ou adicional para evitar a gravidez
se estiver em uso de contraceptivos orais.

ASPECTOS FARMACÊUTICOS

• Armazenar comprimidos abaixo de 25 .C. Proteger de calor, umidade e luz
direta.

• Suspensão oral deve ser mantida sob refrigeração depois de reconstituída.
Evitar congelamento. Descartar 10 dias depois de aberto o frasco.


FONTE : BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Formulário Terapêutico Nacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário