quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

CURRICULUM VITAE - PAULO ROBERTO COELHO WILKEN

CONHECIMENTO NÃO É PARA SER ESTOCADO NO CÉREBRO MAS SIM PARA SER COMPARTILHADO 



CURRICULUM VITAE
PAULO ROBERTO COELHO WILKEN
DADOS PESSOAIS

E-mail: paulowilken@hotmail.com


B - ÁREAS DE INTERESSES

1) Planejamento, principalmente o estratégico e gestão de serviços e sistemas com ênfase em teorias organizacionais de saúde;

2) Avaliação de Serviços e Sistemas de Saúde com ênfase em gestão pela Qualidade Total (QTM), através de diversas metodologias tais como ISO 9000 (Internation Organization for Standardization), sistema 8S (sensos) Japonês, teoria Z Japonesa, QFD (Quality Function Deployment) e GMP (Good Manufaturing Pratices) em Indústrias Farmacêuticas e congêneres, Farmácias Hospitalares e outras organizações de Saúde;

3) Gestão de Farmácias ambulatoriais e hospitalares.

4) Magistério de nível médio, superior, e de cursos de pós-graduação lato senso e estrito senso até nível de mestrado em Saúde Pública, Administração em Saúde e Farmacoeconomia e Gestão em Assistência Farmacêutica, Políticas de Saúde, Política de Medicamentos e de Assistência Farmacêutica e Farmácia Hospitalar.

5) Magistério em nível de ensino médio e superior das disciplinas de Biologia, Química, Bioquímica e Farmacologia.

6) Palestras sobre assuntos constantes do currículo.


1) SUMÁRIO

Graduado em Farmácia e Farmácia Industrial pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com Especialização em Administração Hospitalar pela Universidade do Estado de Rio de Janeiro (UERJ) e Mestrado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/FIOCRUZ.).

Autor dos livros - A Farmácia no Hospital: Como avaliar? Estudo de caso nos Hospitais Federais do Rio de Janeiro. 1999, Wilken, PRC& Bermudez JAZ, Rio de Janeiro: Editora Ágora da Ilha, e do livro Política de Saúde no Brasil: O Sistema único de Saúde :Uma Realidade em Construção, 2005,  HP Comunicação Editora, Rio de Janeiro.

2 ) FORMAÇÃO ACADÊMICA

2.1 – GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA (1971/1973)

Graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1973. Durante o período  realizou estágios supervisionados tanto na sub área de Farmácia e Bioquímica- "Modalidade Análises Clínicas", como também estágio curricular em Farmácia Comercial.

2.2 - GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA INDUSTRIAL (1974/1974)

Graduação em Farmácia Industrial pela mesma Universidade, complementados por estágios realizados no hospital do Andaraí e na Farmácia Comercial Primavera Ltda, cujas declarações encontram-se arquivadas.

2.3 – ESPECIALIZAÇÃO

Após ocupar diversos cargos de direção, na área de gestão, em nível micro organizacional e em macro organizacional no INAMPS procuramos articular nossa experiência empírica com a academia, tendo sido aprovado no processo de seleção do Curso Lato senso de Especialização em Administração Hospitalar da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, concluindo o curso em dezembro de 1993.

Objetivando ampliar meu horizonte de conhecimentos, iniciamos em 1995, após aprovado no processo de seleção, o Curso Lato Senso de Especialização em Saúde Pública na Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. não  concluído, em virtude de meu afastamento para tratamento de saúde em sua fase final.

2.4 – MESTRADO

Em 1996, iniciamos o mestrado em Saúde Pública na sub área de concentração de Planejamento e Gestão de Serviços e Sistemas de Saúde", na Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, após passar por processo de seleção no ano de 1995. O referido mestrado foi concluído em 19 outubro de 1998, com dissertação pública, tendo recebido aprovação com louvor pela banca examinadora.

A dissertação de mestrado em questão gerou o livro: A Farmácia no Hospital:  Como avaliar? Estudos de Caso nos Hospitais Federais do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Editora Ágora da Ilha, ( Wilken. P.R.C.& Bermudez., J.A . Z., 1999).

Destacamos que o referido livro tem sido referência bibliográfica de cursos de especialização lato senso, principalmente na ENSP, dissertações de mestrado e doutorado, de pesquisas de campo, de outras publicações, e de concursos públicos entre os quais assinalamos o concurso para farmacêutico realizado em 2001, para preenchimento de vagas para atendimento da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, concursos públicos para o preenchimento de vagas, em 2001 e 2002, para o curso de especialização em farmácia hospitalar, em nível de residência, elaborado pela Universidade Federal Fluminense em conjunto com a Representação do Ministério da Saúde, no Rio de Janeiro, e para o preenchimento de vaga de farmacêutico no concurso Público realizado pela Fundação Oswaldo Cruz, em 2002.

3 - SITUAÇÃO ATUAL

APOSENTADO PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE COMO FARMACÊUTICO E PELO INSS COMO PROFESSOR




3.1- EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

3.1.1- ATIVIDADES DIDÁTICAS

  1. Professor de química teórica e experimental da União Brasileira de Educação e Ensino, Colégio Marista São José, do Rio de Janeiro, de 01 de março de 1978 até 22 de fevereiro de1988. No referido colégio ministramos aulas de química para alunos do 1º 2º do segundo grau. A experiência didática no segundo grau foi profícua, e ainda tivemos a oportunidade de participar da reestruturação física e do conteúdo programático dos laboratórios de análises clínicas, dos cursos profissionalizantes, previstos na Lei de Diretrizes e Bases, quando da modificação da referida Lei, para transformá-los em laboratórios de química experimental, conforme declaração arquivada.

  1. Professor visitante, desde outubro de 1998 da UNIFAL (Universidade de Faculdades de Alagoas Ltda com convênio com a UNIFOA (Centro Universitário de Volta Redonda), até 2005, das disciplinas Gestão de Farmácia Hospitalar, Planejamento em Saúde e Serviço de Farmácia Hospitalar dos Cursos de Especialização em Farmácia Hospitalar e de Administração Hospitalar, conforme declarações arquivadas.

  1. Professor visitante, desde 1999, até 2005 do Centro Educacional São Camilo ministrando o módulo Planejamento Estratégico para os Cursos de Administração Hospitalar e de Especialização em Enfermagem Gerencial, conforme declarações em anexos.

  1. Professor visitante do curso de Especialização em nível de residência da Universidade Federal Fluminense, desde 1999, até 2003 conforme declarações arquivadas.

  1. Professor visitante do curso de Administração Hospitalar da Universidade do Estado do Rio De janeiro de 1996 até 2002, conforme declarações arquivadas.

  1. Professor /pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz no período compreendido entre Dezembro de 1998 a julho de 2002, conforme declarações, arquivadas.

  1. Professor Assistente, do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), desde 2001 até 2005, das disciplinas de Saúde Pública (Atualmente Política de Saúde) e administração em Saúde do curso de graduação em Fisioterapia. Lecionamos a disciplina Fundamentos de Química e Fundamentos de Bioquímica respectivamente no curso de graduação em Nutrição e Fisioterapia. Lecionamos as disciplinas de Farmácia Hospitalar e Economia e Administração Farmacêutica (atual Farmacoeconomia e Gestão Farmacêutica) no curso de graduação de Farmácia, conforme declarações, arquivadas.

  1. Professor Assistente, desde 2003 até 2005, da Universidade Gama Filho do curso de graduação em Farmácia, das disciplinas Farmácia Hospitalar e Assistência Farmacêutica,  conforme declarações, arquivadas.

3.1.2 - OUTRAS ATIVIDADES ACADÊMICAS

  1. Expositor do tema Assistência Farmacêutica Governamental, papel da CEME, Vital Brazil e Fiocruz no I Congresso de Especialistas em Doenças Infecto contagiosas no Conselho Regional de Medicina do Rio de janeiro nos dias 12 e 13 de outubro de 1989, conforme declarações, arquivadas.

  1. Palestrante no módulo de Avaliação de Qualidade do Curso de Administração Hospitalar da Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 1994, conforme declaração arquivada.

  1. Palestrante na Oficina de trabalho sobre Diagnóstico da Farmácia hospitalar no Brasil. Participação como debatedor do assunto "Estudos de Avaliação/diagnósticos da situação da Farmácia hospitalar, através de mesa redonda. Além de participar como organizador do evento, em conjunto com a OMS/OPAS/BR, em 22 e 23 de novembro de 1999, conforme a declaração arquivada.

  1. Palestrante do tema "Avaliação em Saúde no módulo " Utilização de Medicamentos no Curso de Especialização em Vigilância Sanitária de Medicamentos da Escola Nacional de Saúde Pública em 04/09/2000, conforme declaração arquivada.

  1. Palestrante sobre o tema "Política Nacional de Medicamentos e Assistência Farmacêutica Básica" na disciplina de Deontologia e Legislação Farmacêutica na Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio de janeiro em 26/09/2000, conforme declaração arquivada..

  1. Palestrante sobre o tema "Política de Medicamentos Genéricos, no Curso de Especialização em Vigilância Sanitária de Serviço de Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública, conforme declaração, em anexo.

  1. Palestrante sobre o tema “Farmácia Hospitalar no Brasil” no curso de graduação de Farmácia da Universidade Federal do Rio de Janeiro em maio de 2002 conforme declaração arquivada.

  1. Presidente, da banca examinadora do Concurso Público para a seleção de Farmacêuticos para o Curso de Especialização - Modalidade Residência realizado pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal Fluminense/ Ministério da Saúde em 18/12/1996.

  1. Participante da banca examinadora da monografia final da aluna Ana Cláudia da Cruz de Paula, através de convite efetuado pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz, em 09/09/1998, conforme declaração arquivada.

  1. Participante da banca examinadora da monografia final do Curso de Residência em Farmácia Hospitalar de Rondinelii Mendes da Silva, em 13 de janeiro de 2000, através de convite efetuado pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal Fluminense, conforme declaração arquivada.

  1. Participante da banca examinadora da monografia final do curso de Residência em Farmácia Hospitalar de Alessandra Novis Gomes, em agosto de 2002, através de convite efetuado pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal Fluminense, conforme declaração arquivada.

livro Política de Saúde no Brasil: O Sistema único de Saúde :Uma Realidade em Construção, 2005,  HP Comunicação Editora, Rio de Janeiro.

 3.2- PRODUÇÃO TÉCNICA – CIENTÍFICA

3.2.1 - LIVRO: A Farmácia no Hospital: Como avaliar? PRC Wilken, Bermudez JAZ, A Farmácia no Hospital: Como avaliar? Estudo de Caso nos Hospitais Federais do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro RJ: Editora Ágora da Ilha.



O Livro citado foi indicado como Referências Bibliográficas nos seguintes Concursos Públicos, além de inúmeros trabalhos de conclusão de cursos de pós graduação Lato senso e Stricto senso.

v  Concurso Público da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (2001), conforme página 26 do Manual do Candidato.

v  Concurso Público (2002) para preenchimento de vagas para o Curso de Especialização Sob a Forma de Treinamento em Serviço para Farmacêutico, nos Moldes de Residência em andamento e efetuado pela Universidade Federal Fluminense, conforme o Boletim de Serviço UFF n º 52 Seção IV página 021 de 23/02/2002.

v  Concurso Público (2002) para preenchimento de vaga para Farmacêutico da Fundação Oswaldo Cruz, através do Edital n º 18/2002

v  Concurso Público para preenchimento de vagas para Farmacêutico realizado pela Prefeitura de São Gonçalo.

v  O referido livro originou-se de minha dissertação de mestrado e tem sido referenciado em outras obras tais como "O Acordo Trips da OMC e a Proteção Patentária: Mudanças Recentes e Implicações para a Produção Local e o Acesso da População aos Medicamentos. Jorge Zepeda Bermudez, Ruth Epsztejn, Maria Auxiliadora de Oliveira e Lia Hasenclever, página n º 106.

v  O livro em referência foi distribuído para representantes de vários Países Latinos Americanos e Africanos durante o Seminário Internacional "Política de Medicamentos: Equidad y Acceso" que foi efetivado entre 10 e 16 de junho de 2000 no Rio de Janeiro.

v  O referido livro foi destacado no boletim janeiro de 1999, pela SOBRAVIME (Sociedade Brasileira de Vigilância de Medicamentos) na página 20 como lançamento editorial importante.

3.2.2 - LIVRO - Política de Saúde no Brasil: O Sistema único de Saúde :Uma Realidade em Construção, 2005,  HP Comunicação Editora, Rio de Janeiro.



O Livro citado foi indicado como Referências Bibliográficas nos seguintes Concursos Públicos, além de inúmeros trabalhos de conclusão de cursos de pós graduação Lato senso e Stricto senso:

v  COMPETÊNCIA DOS ENFERMEIROS EM PROBLEMATIZAR A REALIDADE DO SERVIÇO DE SAÚDE NO CONTEXTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Vânia Marli Schubert Backes1, Sabrina Telma Martins2, Fabiane Ferraz3, Sandra Marcia Soares Schmidt4, Marta Lenise do Prado5, Mônica Motta Lino2, Silvana Romagna Marcelino6 1 Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2007 Out-Dez; 16(4): 727-36.

PGSC PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA - CCBS . POLÍTICA DE SAÚDE - UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO -  COORDENAÇÃO : Maria Teresa Seabra Soares de Brito e Alves.


v  UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE MEDICINA COMISSÃO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE MÉDICO ESTRANGEIRO COMISSÃO DE EXAMES E PROVAS EDITAL COMEP/CRDME Nº01/2008

v  MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Faculdade de Medicina “Dr. Helio Mandetta” EDITAL FAMED/UFMS Nº 02, DE 01 DE DEZEMBRO DE 2008 AVALIAÇÃO ESPECÍFICA PARA PORTADORES DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA, EXPEDIDO POR ESTABELECIMENTOS ESTRANGEIROS DE ENSINO SUPERIOR

v  GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DO AMAZONAS S/A 1 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 01/AFEAM/ 2009. A AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DO AMAZONAS S. A – AFEAM, torna público que fará realizar CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS destinado à contratação para provimento de vagas e formação de cadastro de reserva em empregos de seu quadro de pessoal, nos termos da Constituição Federal e da Constituição do Estado do Amazonas, mediante as condições estabelecidas neste Edital.

v  CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DO GOVERNO DO MUNICÍPIO DE BARBACENA e DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE PÚBLICA DE BARBACENA - DEMASP EDITAL Nº 013, DE 17/08/2010 ANEXO I – PROGRAMA DE PROVAS

3.2.3 -  APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS EM CONGRESSOS E AFINS

v  V Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (ABRASCO) e V Congresso Paulista de Saúde Pública. Comunicação Coordenada cc.117d "Assistência Farmacêutica Hospitalar nos Hospitais do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro" Agosto de 1987.

v  I Congresso de Ciências Farmacêuticas do Rio de Janeiro (RIOPHARMA) "A Farmácia Hospitalar e a Atenção a Saúde: Assistência Farmacêutica nos Hospitais do Ministério da Saúde". Junho de 1999.

v  VI Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (ABRASCO) "Os descaminhos da Assistência Farmacêutica Previdenciária no Brasil, cc. 1346" e "Satisfação da Demanda de Medicamentos pelos Laboratórios Produtores Oficiais no Estado do Rio de Janeiro. Pôster". Setembro de 2000.

v  II Bienal de Pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) "A Farmácia Hospitalar e a Atenção a Saúde: Assistência Farmacêutica nos Hospitais do Ministério da Saúde". Dezembro de 2000.

v  II Congresso de Ciências Farmacêuticas do Rio de Janeiro (RIOPHARMA) "Satisfação da Demanda de Medicamentos pelos Laboratórios Produtores Oficiais no Estado do Rio de Janeiro". Maio de 2000.

3.3- ATIVIDADES TECNOADMINISTRATIVAS

3.3.1 - PÚBLICAS

1.    Selecionado pela Portaria Ministerial n º 1978 de 25/12/75 para o serviço militar como Aspirante a Oficial Farmacêutico, do Quadro de saúde da Reserva do Exército Brasileiro. A 1ª fase referido estágio de adaptação e serviço foi iniciado com instrução militar no 3 º grupamento de artilharia de costa (Forte Copacabana), tendo sido continuado na Escola de Saúde do Exército.

2.    A 2 ª fase do curso de adaptação e serviço foi iniciada em 13 de março de 1975, através de designação pela 1 ª Região Militar, do oficial da reserva em questão, para prestar serviço na Policlínica Militar de Niterói, onde foi promovido a Segundo Tenente R/2 do Exército Brasileiro, de acordo com a carta patente arquivada. Durante o estágio de adaptação e serviço na Policlínica Militar de Niterói fui designado pela direção para exercer o cargo de “Gestor do Serviço de Farmácia da Unidade e orientador do Curso preparatório do Centro de Ascensão de Sargentos da Unidade. Militar (CEPCAS)1975/1976 até baixa do serviço militar em 29 de janeiro de 1976”.

3.    contratados pelo Instituto Nacional de Previdência Social, pelo Contrato N º 237 de 26/03/76. Admitido pela Pt-RRJP-981 de 23/03/76 e designado para trabalhar no serviço de farmácia da Agência do INPS em Petrópolis no cargo de Farmacêutico. A referida contratação se deu em virtude das necessidades emergenciais de farmacêuticos para atuar no Programa de Assistência Farmacêutica do INPS em convênio com a Central de Medicamentos (CEME) que estava se iniciando através de projeto piloto no Rio de Janeiro.

4.    Atuando em Petrópolis, fui designado Chefe Substituto do Serviço de Farmácia da Agência do INPS, Rio de Janeiro através do Memorando n º 66 de 26/04/76. Desenvolvi minhas atividades no referido serviço até Outubro de 1976, quando fui transferido para o Posto de Assistência Médica 13 de Maio no Rio de Janeiro, através de permuta.

5.    Em março de 1977, já no Posto de Assistência Médica 13 DE Maio, fui designado para participar da Comissão Instituída pela Portaria n º Presidência INPS 1959, de 07/03/1977, que tinha como objetivo instituir as providências necessárias para evitar a perda e deterioração de medicamentos pela expiração de prazos de validades, adquiridos pelo INPS na rede de distribuidoras e laboratórios farmacêuticos e armazenados em diversos Estados da Federação.

6.    Em abril de 1977, acumulativamente com o trabalho desenvolvido na comissão supra citada, fui designado Chefe do Serviço de Farmácia do Posto de Assistência Médica Treze de Maio da Superintendência do INPS, no Rio de Janeiro, através da Portaria n º RJMP 1030 de 01 de abril de 1977, publicada no BSL n º 66 de 31/07/77 e dispensado a pedido pela Portaria Pt/INAMPS/ARJURF n º 18 de 24 /07/1979.

7.    Em dezembro de 1979, fui convocado pelo Secretário de Medicina Social da Direção Geral do INAMPS, pelo memo n º 26/12/1979, para prestar serviço de auditoria na prestação de contas do convênio INAMPS/CEME, tendo o trabalho encerrado em 27 de março de 1979 através do memo 88/79 da Coordenadoria de Assistência Farmacêutica.

8.    Em dezembro de 1979 fui transferido para a Chefia de Equipe de Farmácia da Coordenadoria Regional de Promoção de Saúde Individual da Secretaria de Medicina Social da Superintendência da Direção Geral INAMPS/RJ, e através do memo n º 119/80 foi designado responsável técnico substituto pela Unidade de Assistência Farmacêutica (UAF) do Posto de Assistência Médica da Ilha do Governador.

9.    Em julho de 1981, foi designado Chefe Substituto do Serviço de Farmácia do Posto de Assistência Médica Del Castillo, no Rio de Janeiro, através da Portaria /INAMPS/ARJRJP n º 81 de 15/07/81, publicada no BS n º 134 de 20/07/81.

10. Após processo seletivo interno, foi incluído na tabela permanente do INAMPS pela Portaria INAMPS/DEPARTAMENTO de Pessoal n º 768/82 de 29/01/82.

11. Em de fevereiro de 1983, foi designado Chefe da Seção de Psicotrópicos e Equiparados do Posto de Assistência Médica Del Castillo do INAMPS, no Rio de Janeiro, através da Portaria/INAMPS/ARJRPJ n º 152 de 16/02/83, publicada no BS n º 44 de 08/03/83 e no DOU n º. 43 de 08/03/83. Durante minha passagem pelo posto em referência, tive a oportunidade de participar da reorganização do serviço de farmácia, que como todos os outros serviços, foram transferidos para o prédio atual onde hoje se encontra.

12. Chefe do Serviço de Farmácia do Posto de Assistência Médica do Del Castillo do INAMPS Rio de Janeiro. 1983/1983

  1. Em agosto de 1983, foi designado para ocupar a Chefia de Equipe e o cargo de Coordenador Substituto da Coordenadoria Nacional de Assistência Farmacêutica, do Departamento de Promoção de Saúde Individual, da Secretaria de Medicina Social da Direção Geral do INAMPS, no Rio de Janeiro, cargo Ligado à Secretaria de Medicina Social e a Presidência do órgão, através da portaria SMS n º 906 de 01/08/83, e o termo de posse INAMPS/SMS n º 31/83, publicada no DOU n º 149 de 04/08/83.

  1. Em julho de 1985, já na gestão Hésio Cordeiro, foi designado Coordenador de Assistência Farmacêutica da Direção geral do INAMPS, no Rio de Janeiro, cargo ligado à Secretaria de Medicina Social e a Presidência do órgão, através da Portaria INAMPS/PRESIDÊNCIA n º 2690 de 02/07/85, e termo de posse Presidência do INAMPS n º 583/85, publicada em DOU n º 126 de 05/07/ 85, cargo que ocupou até sua designação para a Diretoria de planejamento da Central de Medicamentos do Ministério da Saúde.

  1. Em dezembro de 1986, foi designado Diretor Substituto do Departamento de Administração de Unidades Assistenciais da Direção Geral do INAMPS, no Rio de Janeiro, pela portaria n º 1465 de 25/03/ 86. Publicada no BSL/DG/INAMPS 242 de 16/12/86. Nesta época a CAF já era denominada de Coordenadoria de Administração de Atividades de Farmácia.

  1. Através da Ordem de Serviço INAMPS n º 135, de 12/06/1987 fui destacado para realizar treinamento na ENSP/FIOCRUZ. Com o objetivo de contribuir para o nosso aperfeiçoamento na promoção das Ações Integradas de Saúde.

  1. Em fevereiro de 1988 foi removido Ex. Ofício para a Direção Geral do INAMPS em Brasília, através da portaria ADP n º 2165 de 24/02/88, publicada no BSL n º 29 de 25/09/88.

  1. Em dezembro de 1987, pelo ofício PRESI/CEME n º 2165 de 24/12/ 87 fui requisitado pela Presidência da Central de Medicamentos (CEME) para ocupar o cargo de Diretor de Planejamento do órgão, sendo liberado pelo Presidente do INAMPS através do telex PRESI/INAMPS nº 110 de 05/02/88, tendo sido dispensado do cargo de Confiança de Coordenador de Supervisão e Auditoria de Farmácia, ex. Coordenadoria de Assistência Farmacêutica.

19. Em dezembro de 1987, fui designado Diretor de Planejamento da Central de Medicamentos (CEME), no Ministério da Saúde, em Brasília, através da Portaria PRESI/CEME nº 96 de 18/12/87, publicada no DOU de 22/12/87 pg. 6837.

20. Em fevereiro de 1998, fui designado pelo Secretario Geral do Ministério da Saúde para participar de do grupo de trabalho para analisar a PCI (Programação e Orçamentação Integrada) com representantes de vários órgãos de Ministério, e ligada à secretaria de Planejamento, com assessoramento dos técnicos da CIPLAN, através da Portaria MS/SG n º 05 de 03/02/1988, publicada no DOU n º de 05/02/1988 pág 1419.

21. Em outubro de 1988 fui indicado pela Presidência da CEME para participar da I Conferência Latino Americana sobre Políticas Farmacêuticas, realizada na cidade do México, conforme DPt / 43 47/511.11 expedida pelo Ministério das Relações Exteriores em missão oficial, publicada no DOU n º 170 de 05/07/1988,, Seção II, pág 5371.

22. A pedido, solicitamos exoneração da função de confiança em julho de 1989, tendo sido atendido, o que gerou a Portaria PRESI/CEME n º 047 de 17/07/1989 e conseqüentemente minha devolução ao órgão de origem através do ofício PRES/CEME n º 2185 de 17/07/1989 com elogio. O pedido de exoneração teve como base as mudanças de rumos da Política de Medicamentos e Assistência Farmacêutica estavam em andamento e com as quais não concordávamos.

23. Retornamos ao Rio de Janeiro e fui lotado no Serviço de Farmácia do Hospital do Andaraí.

24. Em dezembro de 1989 fui convidado para assumir o cargo de Diretor Administrativo do Instituto Vital Brazil S/A, instituição cujo acionista majoritário era o Estado do Rio de Janeiro pelo Ofício IVB/DP n º 274/89 de 14/12/89 encaminhado ao Secretário de Estado de Saúde.

25. Em maio de 1990, conforme Ata da Reunião do Conselho de Administração do Instituto Vital Brasil S/A, fui indicado, eleito e empossado no cargo de Diretor Administrativo, cuja publicação se processou no Diário Oficial do Estado do Rio de janeiro n º 119 de 26/07/1990, Parte V. Ocorreu reiteração da liberação deste servidor de suas atividades no hospital do Andaraí, pela Secretária de Estado de Saúde ao Ministro de Estado da Saúde através do Ofício Gab n º 439 de 17/05/1990.

  1. Em junho de 1991, foi designado Chefe do Serviço de Farmácia do Hospital do Andaraí pela Portaria/INAMPS/HRJAI n º 2756, publicada no BS/DG n º 136 de 17/07/91 e DOU 134 de 15/07/91, tendo sido elogiado pela Direção pela tentativa de implantação do sistema piloto de distribuição de medicamentos por dose individualizada para 24 horas/paciente em clínicas pré-selecionadas, além de elaborar padronização de medicamentos para o Hospital e disciplinar o uso de medicamentos não constantes da relação de medicamentos padronizados.

  1. Em março de 1992, a pedido fui dispensado do cargo de confiança pela Portaria INAMPS/HRJAI n º 2894, de 16/03/1992. Tal solicitação se prendeu ao fato de a cultura organizacional existente no hospital dificultar e até sabotar o processo de modernização da gestão que pretendia ser implementada.

  1. Em março de 1992, fui designado, pela Portaria/INAMPS n º 2897 Chefe Substituto do Serviço de Farmácia do Hospital do Andaraí do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro, publicada no BSL n º 55 de 23/03/92.

  1. Em maio de 1992, fui requisitado para prestar colaboração à Coordenação Regional do Rio de Janeiro da Fundação Nacional de Saúde pelo OF/CRRJ n º 1100 de 19 de maio de 1992, tendo a concordância da Direção do Hospital pelo OF/HRJAI n º 104/92. Infelizmente as atividades que teria que desenvolver não eram compatíveis com meu perfil profissional e solicitei devolução que foi efetuada pelo OF/CRRJ n º 1897 de 24//06/1992.

  1. Em setembro de 1992, fui requisitado pelo Secretário de Estado de Saúde do Rio de Janeiro pelo OF GAB n º 499 de 29 /07/1992 para desempenhar funções junto a Coordenadoria de Fiscalização sanitária da Superintendência de Saúde Coletiva, sendo liberado pelo F/HRJAI n º 224/92 de 09/09/1992. Nessa Coordenação desenvolvi atividades de assessor de planejamento ligado diretamente ao titular do cargo.

  1. Em dezembro de 1993, pelo Ato Declaratório n º 88 de 30/12//1993 da Alfândega do Porto do Rio de Janeiro, Secretaria da Receita Federal do Ministério da Fazenda assumi o cargo de Técnico Certificante publicado no DOU de 21/02/94 por período de dois anos, após processo de seleção.

  1. Em agosto de 1994, fui requisitado pelo Coordenador Geral Das Unidades Hospitalares Próprias da Secretaria de Assistência à Saúde, do Ministério da Saúde, no Rio de Janeiro, pelo Ofício n º 347/94 de 24/08/1994 para reavaliar a Assistência Farmacêutica prestada na rede, detectar distorções, e propor e ajudar a agilizar ações que permitissem a reestruturação da Assistência Farmacêutica prestada, que estava passando por momento bastante tumultuado e conflitante o que refletia em ações muito precárias, e com alto custo. Pela falta de indicadores para avaliação da política desenvolvida, e para avaliação especifica dos serviços de farmácias hospitalares da rede tomamos a decisão de iniciar a nossa caminhada na Academia.

  1. Pelo memo NAF/DCB/ENSP n º 41/98 de 09/11/98 e memo DCB/ENSP n º 159/DCB/ENSP de 13/11/98 fui requisitado ao Núcleo do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro e cedido a Escola de Saúde Pública da Fundação Oswaldo cruz pelo Ofício n º 19 /Núcleo Estadual/ MS/RJ/SERPA/99 de 10/02/1999 até 2002 exercendo no núcleo em referência em atividades de pesquisa e docência.

  1. Transferido em 2002 para a Coordenação de Planejamento do Instituto Nacional de Cardiologia Laranjeiras, hospital ligado a Secretaria de Assistência à Saúde (SAS) do Ministério da Saúde onde se aposentou.
3.3.2 - PRIVADAS

  1. Responsável Técnico e Auditor de Qualidade da Companhia Brasileira de Antibiótico (CIBRAN). 1991/1995

  1. Responsável técnico pela Farmácia e Drogarias, Nacional de Nova Iguaçu Lda, Apollo de Nova Iguaçu Ltda, Drogaria Central do Flamengo Ltda e Farmácia Correia Dutra Ltda.1975/1998.

3.4- DIVERSOS

3.4.1 - PARTICIPAÇÃO EM SEMINÁRIOS, CONGRESSOS, ETC.

v  Encontro Estadual de Assistência Farmacêutica e Política de Medicamentos. Secretaria de Estado de Saúde do Pará, participante e expositor, 08/1988, Belém.

v  I Encontro Nacional de Assistência Farmacêutica e Política de Medicamentos, 09/88, CEME, Brasília.

v  I Conferencia Latino Americano Sobre Politicas Farmaceuticas Y Medicamentos Esenciales, 10/88, México, DF

v  Academia de Medicina/Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro "Riscos e Benefícios de Medicamentos de Uso Controverso" julho/96, Rio de Janeiro.

v  Seminário "Perspectivas para a Gestão Hospitalar Pública no Contexto da Reforma do Estado: Responsabilidade, Eficiência e Eficácia. Fundação Getúlio Vargas, 11/1996.

v  Seminário Internacional Politica de Medicamentos: equidad y Acceso, junho/2000, Rio de Janeiro.

3.4.2 - DIPLOMA DE MEDALHA

v  Diploma de Medalha Comemorativa pela participação no engrandecimento da Farmácia Científica Brasileira fornecida pela Academia Nacional de Farmácia. 08/1987.

v  Moção de Voto de Louvor ao profissional Farmacêutico e ao Educador dado em 30 de setembro de 2003 pela Câmara Municipal da cidade do Rio de Janeiro

3.4.3 - CONCURSOS

v  Aprovado no concurso público do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social, Edital INAMPS n º 08/80, autorizado pelo edital DASP/INAMPS n º 32 /70, cuja publicação foi oficializada através do DOU de 13/05/1980 seção I pg 8601

3.4.4 - COMISSÕES

v  Pela Portaria n º GEREST/RJ 565 de 22/09/1998 fui designado para a Comissão de Farmácia e Terapêutica do GEREST/RJ/MS, sob a minha presidência para elaboração uma padronização de medicamentos e correlatos para utilização pelos hospitais próprios do Ministério da Saúde. O trabalho foi elaborado e a padronização distribuída para os diretores de hospitais e colocada em execução.

v  Pela Portaria Conjunta MS-ERERJ/UFF n º 02, de 19/08/97 fui designado membro da Comissão Executiva Operacional Gestora do programa de Assistência Farmacêutica do ERERJ/MS. Nesta comissão pudemos negociar um convênio com a Faculdade de Farmácia da Universidade Federal Fluminense, para através de concurso público selecionar Residentes em Farmácia para atuarem nos hospitais da rede própria do Ministério da Saúde. O referido convênio vem funcionando adequadamente até a atualidade dando resultados expressivos. Através da comissão tivemos a oportunidade de contribuir para a elaboração de um manual de normas e rotinas para farmácia hospitalar que foi amplamente divulgado para as direções dos hospitais da rede própria e colocado em operação.

Paulo Roberto Coelho Wilken
Farmacêutico Industrial



Nenhum comentário:

Postar um comentário